Hotel para felinos, gatos no Tatuapé na zona leste.

O Restante da Família!

Olá amigos, como estão?

No primeiro post falei um pouco sobre como os gatos apareceram em minha vida e mostrei meus 3 bebês mais velhos, e hoje vou falar um pouco dos que vieram depois!

Quase dois anos atrás, uma amiga minha resgatou uma gata que apareceu no telhado da casa dela, a gata estava meio barrigudinha e ela como boa gateira e de uma alma incrível, a levou ao veterinário, a gata foi examinada e voltou com uma receita de vermífugo e anti pulgas.

Depois de umas duas semanas a gata estava mais barrigudinha, ela achou estranho e levou em outro veterinário que pediu um ultrassom e daí veio a resposta, a Luna, que a essa altura já tinha nome, esperava 4 gatinhos!!

A minha amiga, não ia poder ficar com ela, ainda mais agora que ela era um Kinder Ovo com surpresinhas dentro, eu já estava pensando em adotar um gatinho para ficar comigo no hotel e quando ela me falou da Luna eu sabia que ela seria minha e mais importante: sabia que não ia doar nenhum de seus bebês!

Avisei minha mãe, que achou que eu estava enlouquecendo de vez, e a levei  para casa. Pelo ultrassom a veterinária acreditava que ela já estava no final a gestação, sua barriga estava enorme. Arrumamos uma caixa, uma cama, cobertores e ficamos esperando, ela foi uma fofa desde o início, apesar de termos levado ela para uma casa com outros gatos (ela ficou separada deles) com pessoas que ela não conhecia, ela estava super relaxada, virava de barriga pra cima para acariciarmos e como minha amiga brincava, ligava a máquina de ronron!

LunaE numa sexta feira fria de junho, por volta das 23 horas a Luna entrou em trabalho de parto. Foi incrível! Ela deixou que eu e minha mãe ficássemos com ela e a ajudássemos, os nenês foram nascendo, o primeiro foi pretinho, e em cada intervalo fazíamos massagem em sua barriga e ela lambia os já nascidos e os colocava pra mamar. Era a primeira vez dela e também a nossa, mas tinha me preparado lendo tudo a respeito de parto felino que achei na internet e conversando muito com alguns amigos veterinários sobre o que fazer em caso de emergências, se fosse necessário.

O quarto bebe a nascer deu um pouco de trabalho, ele veio na posição Posterior-Dorsal, ou seja, o primeiro a aparecer foram o bumbum e o rabinho, ao invés da cabeça em nascimentos normais, ela teve mais dificuldade, precisou de nossa ajuda para expulsar o bebe, achamos que tinha acabado com um final dramático, só pra gente quase enfartar e testar o nosso conhecimento. E quando já nos preparávamos pra sair ela teve outra contração e mais um nenê nasce! 5 filhotes, até hoje não sabemos onde foi que ele se escondeu naquele ultrassom! hahaha

Às 3h da manhã todos os bebês já estavam limpinhos e mamando, 1 pretinho e 4 branquinhos, acabei, na empolgação, não identificando os filhotes, e como eram todos branquinhos, não sei quem nasceu depois de quem. Eu não queria ir pra cama, queria ficar ali, vendo aquele espetáculo, mas achei melhor dar um pouco de espaço para nova mamãe haha.bebes

Os primeiros dias foram bem tensos, o tempo estava bem frio e como a estatísticas dizem que há mais mortes nessa fase, ficamos tensas, mas os dias foram passando e os gatinhos iam ficando cada vez mais gordinhos. Começou então a ansiedade por saber seus sexos e a escolha dos nomes, como sou pisciana, uma das minhas “qualidades” é a indecisão, então fiz enquetes em casa e decidimos que as meninas se chamariam Rubi e Esmeralda e os meninos Júpiter, Mercúrio e Ônix, o pretinho, na verdade um frajolinha, foi o primeiro a ter nome.

Com cerca de 45 dias eles já estavam bem diferentes um do outro e já podíamos nomeá-los, a Esmeralda é a que tem a mancha na orelha, o Júpiter o mais branquinho com uma mancha nas costas, a Rubi e o Mercúrio foi bem mais difícil, brinco que eles são gêmeos idênticos, tínhamos que ficar olhando na bundinha pra ver quem era quem, ainda hoje é difícil quando você olha rápido.

cesta-de-gatosEles cresceram fortes e a Luna foi super carinhosa e cuidadosa o tempo todo, mas sempre deixando a gente brincar com seus filhotes, quando chegavam pessoas estranhas ela só sentava na frente da caixa para proteger os bebês, mas depois que ela percebia que não era uma ameaça, eles estavam liberados para os ataques de fofura!

Eu me surpreendo sempre com ela, hoje quando um dos bebês mia diferente ou reclamando que a gente pegou pra cortar as unhas, por exemplo, ela surge do nada como uma ótima mamãe e fica olhando pra gente e pro filhote (sempre serão nossos filhotes) para ter certeza que está tudo bem. Quando vamos colocar comida ela deixa todos comerem, depois no último pote, ela vem. Eu me refiro a ela como mamãe Luna, e eu sou a mamãe humana.

Hoje os filhotes estão maiores que ela, mas de vez em quando, quando ela deixa, ainda mamam na mamãe Luna. E para mim, cada dia é uma nova aventura, uma arte diferente, um aprendizado.mamando

Deixe uma resposta